domingo, 24 de fevereiro de 2013

Memórias do Aeroporto de Lisboa


Amália e o Duo Ouro Negro (Raul Indipwo e Milo MacMahon) junto de um avião Caravelle da TAP em 1968.
Foto encontrada em www.sabado.pt

Em 2012, o aeroporto de Lisboa organizou uma mostra (Memórias do Aeroporto de Lisboa) fotográfica de Amado dos Santos, (fotógrafo oficial do aeroporto), para assinalar os 70 anos de vida do Aeroporto de Lisboa. Amado dos Santos, fotografou durante décadas, inúmeras personalidades nacionais e internacionais que passaram pelo Aeroporto de Lisboa.


O bailarino russo Rudolf Nureyev à chegada ao Aeroporto da Portela a 7 de Junho de 1968 rodeado por jornalistas.
Foto encontrada em www.sabado.pt

"Durante muitos anos o Aeroporto de Lisboa teve um fotógrafo oficial, o único autorizado a acompanhar e a fotografar de forma permanente os acontecimentos, as personalidades e todos os espaços. António Amado dos Santos foi o homem por detrás da máquina que registou a evolução do Aeroporto de Lisboa e que compôs, com essas imagens, uma história documental, patente nesta exposição. Maria Callas, Amália Rodrigues, Pelé, Eusébio, Princípe Rainier e filhas, Reis de Espanha e filhos, Álvaro Cunhal, Mário Soares, Humberto Delgado, António de Oliveira Salazar, Cardeal Cerejeira, foram algumas das individualidades que passarem pela lente de António Amado dos Santos." In, janelaurbana.com


Eusébio com uma das filhas ao colo na área das chegadas do Aeroporto de Lisboa em 1969.
Foto encontrada em www.sabado.pt

Chegada de passageiros num avião da Varig, a companhia aérea do Brasil, em 1971.
Foto encontrada em www.sabado.pt

Duas hospedeiras da companhia Alitalia em 1969 com os novos uniformes.
Chegada do cantor norte-americano Frank Sinatra a Lisboa na década de 60.
Fotos encontradas em www.sabado.pt

O jogador brasileiro Pelé à chegada ao aeroporto em 1965.
Foto encontrada em www.sabado.pt

Maria Callas aterrou em Lisboa em Março de 1958. 
Foto encontrada em www.sabado.pt

Um grupo de modelos fazem publicidade às corridas Martini 
Racing nas escadas de um Boeing B-707 da TAP, em 1976.
Foto encontrada em www.sabado.pt

Chegada de convidados para a famosa festa que o milionário 
boliviano Antenor Patiño deu em Setembro de 1968, em Colares.
Foto encontrada em www.sabado.pt

A equipa de manutenção junto a um avião Lockheed Super Constellation 
da TAP em reparações num dos hangares da companhia em 1964.
Foto encontrada em www.sabado.pt


António Amado dos Santos. 
Foto de bloaranav.blogspot.pt


"António Amado dos Santos com que eu convivi bastante, para além dos outros funcionários do “velho” aeroporto de Lisboa, era sobretudo uma excelente pessoa de fácil relacionamento. Lembro-me do cheiro dos seus rudimentares estúdios onde revelava as fotos, primeiro no 4º piso, e depois, junto ao bar do pessoal.
O Santos, como era conhecido, foi um excelente fotógrafo de um grande profissionalismo, dava gosto estar com ele no estúdio e ver das tinas onde tinha os produtos para revelação, saírem os trabalhos de grande qualidade que os seus rolos a preto e branco tinham registado com grande mestria.
O Aeroporto de Lisboa tem na sua posse um inigualável e excelente arquivo fotográfico e documental inédito, do que foram algumas das suas raízes, esta exposição serve igualmente para mostrar a várias gerações, muito da história em que o Aeroporto fez e fará parte, graças, a António Amado dos Santos (o Santos)."
Francisco Baudouin em bloaranav.blogspot.pt

Aeroporto de Lisboa. Fotografia aérea anterior a 1942.
Foto Arquivo fotográfico da CML.


Aeroporto de Lisboa. Fotografia aérea anterior a 1971.
Foto encontrada em digitarq.cpf.dgarq.gov.pt



Aeroporto de Lisboa

O Aeroporto da Portela também chamado de Aeroporto de Lisboa, situa-se em Lisboa e é o maior aeroporto português com maior volume de tráfego. Foi aberto ao tráfego em 15 de Outubro de 1942. É servido, desde 1962, por duas pistas. Dispõe de dois terminais civis e ainda de um terminal militar, conhecido como Aeroporto de Figo Maduro. Até à inauguração do Aeroporto da Portela, Lisboa era servida por um aeroporto primitivo denominado Campo Internacional de Aterragem situado em Alverca, que entrou em funcionamento em 1919 e foi desactivado em 1940. Nos anos 1930 os voos transatlânticos entre a Europa e a América eram feitos em hidroaviões por motivos de segurança. Só depois de atravessarem o Atlântico os passageiros mudavam para aviões com base terrestre que os levavam ao seu destino final. Sendo Lisboa a capital mais ocidental da Europa, a cidade era o terminal ideal do lado europeu dessas ligações transatlânticas. Por essa razão, o Governo Português entendeu transformar Lisboa numa grande plataforma aérea para voos internacionais. Para isso foram projectados dois aeroportos para Lisboa: um marítimo, para hidroaviões e outro terrestre para aviões convencionais. Outra razão para a construção destas infraestruturas era o facto de ir ser realizada em 1940 a grande Exposição do Mundo Português que se previa ir atrair a Lisboa muitos voos com turistas estrangeiros (isso acabou por não acontecer devido ao início da 2.ª Guerra Mundial). Em 1938 iniciaram-se as obras dos dois aeroportos, que foram concluídas em 1940. Como aeroporto terrestre construiu-se o Aeroporto da Portela, em homenagem à Quinta da Portela que aí existia, e como aeroporto marítimo, construiu-se o Aeroporto de Cabo Ruivo, à beira do Rio Tejo e a cerca de 3 km do primeiro. Para uma ligação rápida por automóvel entre os dois aeroportos construiu-se uma via rodoviária denominada Avenida Entre-os-Aeroportos (actual Avenida de Berlim). O sistema de voos transatlânticos funcionava com os hidroaviões vindos da América, amarando no Rio Tejo e desembarcando os seus passageiros em Cabo Ruivo. Daí, eram transportados por automóvel até à Portela. No Aeroporto da Portela eram distribuídos pelos diversos aviões que os iam levar aos diferentes destinos na Europa. Os passageiros que iam da Europa para a América faziam o percurso inverso. O Aeroporto de Cabo Ruivo, que se localizava onde é hoje a Doca dos Olivais no Parque das Nações, foi desactivado com o fim completo dos voos regulares de passageiros por hidroavião, no final dos anos 1950. Desde essa altura manteve-se apenas o Aeroporto da Portela. Dada a sua localização, na parte norte de Lisboa, faz com que exista uma espécie de barreira entre o Alto do Lumiar e a zona do Parque das Nações, tendo esta ligação de ser feita pelo centro de Lisboa ou pelos concelhos limítrofes. Porém, está prevista uma ligação directa por metropolitano, da zona da Gare do Oriente até ao Lumiar, passando este em linha recta por baixo das pistas do aeroporto. (In, wikipedia)

Varanda do bar do Aeroporto da Portela, na pista distinguem-se 
aviões Superconstellation. anos 50. António Passaporte.
Foto Arquivo Fotográfico da CML

3 comentários:

  1. viva seria possivel obter a foto Aeroporto de Lisboa. Fotografia aérea anterior a 1971. ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pode copiar do blog. dois cliques para abrir a foto depois é só copiar.

      Eliminar
  2. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar