sábado, 17 de Março de 2012

Os Índios da Meia Praia


Eram mulheres e crianças
Cada um com o seu tijolo
Isto aqui era uma orquestra
Quem diz o contrário é tolo 

(José Afonso)


Começaram a chamar «índios» aos pescadores que, no início da década de 1970, vieram de Monte Gordo e assentaram arraiais na Meia Praia. Tinham isco e marisco na Ria de Alvor, tinham peixe na Baía de Lagos... e tinham a GNR à perna, a destruir-lhes as barracas cobertas de junco, apanhado nas dunas. O colmo dava uma aparência de aldeia de índios. Resistentes, tanto quanto a sobrevivência exigiu, foram conquistando o espaço.


Construção do bairro SAAL da Meia Praia by PCP de Lagos. 
Versão editada com músicas de José Afonso.


A revolução de Abril significou, para estes «índios», o direito a terem ali casa digna. Em Agosto de 1974 foi lançado no País o SAAL (Serviço Ambulatório de Apoio Local). O (arquitecto) José Veloso agarrou esse instrumento e levou a Meia Praia para um processo de participação popular, ainda hoje referenciado quando se trata de habitação social e que deu fama internacional a grandes arquitectos. No Bairro 25 de Abril as casas foram entregues em 1978 a 41 famílias.(In, avante.pt)


Continuar a Viver ou Os Índios da Meia Praia 
de António Cunha Telles (1976)
 
Homens, mulheres e crianças carregam os tijolos, a massa, o cimento e até as próprias casas às costas. Eles fazem o amanhã, peça a peça. Cunha Telles filmou a experiência levada a cabo após o 25 de Abril de 1974 na comunidade piscatória da Meia Praia, em Lagos.



José Afonso dá a sua opinião sobre o documentário de António da Cunha Telles: "Continuar a viver ou Os índios da Meia-praia".


Trailer da curta-metragem "Elogio ao 1/2" (doc, 2006, pt) de Pedro Sena Nunes (encomenda da Faro Capital Nacional da Cultura 2005). O Bairro 25 de Abril da Meia-Praia fica entre a praia e a linha de comboio que nos leva á cidade de Lagos. Começou por ser um conjunto de palhotas construídas, improvisadamente, pelos "índios" vindos de Monte Gordo que desejavam apenas sobreviver ao sonho dourado que Lagos não conseguiu cumprir. Após 25 de Abril, e através de plano arquitectónico Serviço de Apoio Ambulatório Local (S.A.A.L.), as palhotas transformaram-se em casas construídas pelos próprios habitantes. Muitas das promessas políticas feitas há trinta anos continuam por cumprir. Como será viver hoje na Meia-Praia?






3 comentários:

  1. Assinem a Petição Pela Preservação e Requalificação do Bairro dos Índios da Meia Praia em Lagos. Pesquisar no site "Petição Pública"

    ResponderEliminar
  2. Petição Pela Preservação e Requalificação do Bairro dos Índios da Meia Praia em Lagos:
    http://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=indiosMP

    ResponderEliminar
  3. Muito obrigado! Este blog ajudou-me a recolher informação que precisava para compreender melhor o poema de Zeca Afonso para conseguir concluir melhor o meu trabalho escolar sobre o poema. Existem várias espressões na música que uma pessoa da minha idade tem uma certa dificuldade para entender ainda por cima o facto de eu não saber como era o estado Social e o estado do Governo de Portugal.

    ResponderEliminar