domingo, 27 de novembro de 2011

Cinemas onde vi filmes: Cinema Condes


Cinema Condes, em 1990, quatro anos antes de fechar. Michel Waldmann.

Sei que lá fui muitas vezes ao Condes desde a minha adolescência, mas não tenho grandes memórias, lembro-me de passar por lá de manhã e estarem a portas abertas, porque estiveram a lavar o soalho e havia um cheiro a creolina? no ar e recordo o último filme que lá vi, que foi uma reposição do "Frenzy" (Perigo na Noite) do Hitchcock, já depois do 25 de Abril numa sessão da tarde, creio que por volta de 1979/80. Segundo os jornais, o Condes fechou em 1996 e foi transformado em 2003 no Hard Rock Café. Pelo menos não foi abaixo como tantos outros.

Cinema Condes em 1956. O filme do cartaz é de 1954, mas estreou cá em 1956: "Sesto Continente", 
era um documentário "ecológico" (uma novidade para aqueles tempos) de um italiano de nome Folco Quilici .

Cinema Condes, em 1952 ou 1953. O filme dos cartazes: "Bullfighter and the Lady"  é de 1951 e foi realizado por Budd Boetticher (um cineasta que o Manuel Cintra Ferreira adorava) e estreou em Portugal em 12 dezembro de 1952. Foto dos estúdios Novais e Fundação Calouste Gulbenkian.

 Planta do Cinema Condes e lista dos filmes para estreia na época de 1948-1949; em  Plantas e Programas dos Cinemas de Estreia em Lisboa. Esta publicação de 1948 era distribuída pela companhia de seguros Mundial Confiança aos clientes.

Anuncios de filmes estreados no Condes: "The Savage Innocents" (Sombras Brancas, 1960) de Nicholas Ray e de Budd Boetticher, "Bullfighter and the Lady" (Homens na Arena, 1951) no Diário de Lisboa.

Anuncios de filme estreado no Condes:  "Twisted Nerve" (O Anormal, 1968) de Roy Boulting, este filme tem uma curiosidade, lembro-me de o ver em Portimão em 1977, no Cine-Teatro de Portimão (já destruido), que tinha um tecto que abria e filas largas como já não há mais.

Teatro Chalet ou Teatro da rua dos Condes, gravura sem data. O primitivo Teatro das rua dos Condes datava de 1765 e foi demolido em 1882.

Em 1888 ergue-se novo edifício por iniciativa do comerciante Francisco de Almeida Grandella, sendo arquitecto Dias da Silva e decoradores Eduardo Reis e Júlio Machado. Desde 1920 deixou de ser Teatro para se converter no Cinema Condes e iria ser remodelado em 1931. 

Desfile da Semana dos Hospitais, Lisboa, 1927.  Foto dos estúdios Novais e Fundação Calouste Gulbenkian.

 Desde 1920 deixou de ser Teatro (à esquerda), para se converter no Cinema Condes (à direita). 



O Cinema Condes, por Manuel Félix Ribeiro




 Páginas do livro, OS MAIS ANTIGOS CINEMAS DE LISBOA, 1896-1929, de Manuel Félix Ribeiro. Com imensa informação sobre o Teatro Chalet, o Teatro Condes e o Cinema Condes. Clique para ler.



(fotos do Arquivo Fotográfico da CML, excepto as assinaladas)




Sem comentários:

Enviar um comentário